O Desafio da Diferença: Abordagens de Diferenciação Pedagógica no Ensino de Línguas

A crescente importância da abordagem plurilingue na educação em línguas implica reconhecer que cada aprendente possui um repertório linguístico único e diverso, do qual se socorre para a construção de novas aprendizagens linguísticas (CE, 2001). Correlativamente, a abordagem plurilingue exige ao docente não só uma preparação para lidar com diferentes níveis de proficiência linguística mas, sobretudo, a capacidade de gerir essa diversidade de níveis dentro da sala de aula (De Corte, 1990).

Saber gerir a diversidade passa por diferenciar, ou seja, mediar a construção de aprendizagens através de diferentes estratégias que poderão incluir o ensino mútuo, o funcionamento cooperativo em pequenos grupos ou em grande grupo, e que se caracterizam pela procura de atividades e de situações de aprendizagem significativas e mobilizadoras, ou seja, diferenciadas em função das características a nível pessoal e cultural dos alunos (Perrenoud, 2001). A diferenciação pedagógica tem como objetivo atender às diversidades e especificidades de cada aluno, procurando que o trabalho se organize de forma diferenciada mas criando espaços onde também se possam envolver os restantes alunos da turma, através da realização de atividades de pares ou em grupo. Desta forma, potencia-se a capacidade de aprendizagem dos alunos com mais dificuldades, como nos dizem aqueles que estudam os benefícios do trabalho colaborativo em sala de aula, muito assentes em Vygostky e na sua Teoria do Desenvolvimento Proximal ou na Experiência de Aprendizagem Mediatizada, de Reuven Feuerstein. (cf.Leitão, 2006, Rigon, 2010, Sanches, 2011). Não podemos também deixar de apontar referenciais teóricos como Gardner e a sua teoria das Inteligências Múltiplas, que atestam do pensamento divergente que surge e se impõe, quando falamos de diferenciação pedagógica, atendendo à diversidade dos alunos de todas as formas possíveis (cf. Gardner, 1997).

Assim, acredita-se que a diferenciação pedagógica é um processo integrado de diagnóstico e intervenção na aula, num sistema de gestão das aprendizagens adaptado às necessidades linguísticas individuais e características específicas dos níveis de proficiência em que cada grupo de alunos se situa.

No contexto do Ensino Português no Estrangeiro (EPE), a diversidade ao nível da proficiência linguística é a norma, já que, num mesmo grupo se podem inserir alunos não só de diversos anos de escolaridade, mas também alunos para quem a língua portuguesa é língua materna, de herança, segunda língua, ou ainda, língua estrangeira (Grosso, 2011).

Para identificar estas diferentes funções e estatutos que a língua assume para cada aluno, assim como para atuar em consonância com um projeto didático orientado pela diferenciação pedagógica, nomeadamente a nível linguístico, importa que se invista na formação docente, ajudando os professores a planificar atividades e a construir percursos diversos e diversificados, adequados aos grupos de alunos com quem trabalham.

Gerir a diversidade de níveis e competências dentro da mesma sala de aula é, pois, uma das áreas de formação reclamadas pelos docentes de EPE, como se constata no recente estudo de Calderón, Fibbi & Truong (2013, p.10).

Tendo em conta que a formação contínua específica docente se relaciona predominantemente com oportunidades, tempos e espaços próprios de trabalho conjunto (Cirne, 2000; Gonçalves 2011), esta proposta de formação poderá constituir uma base para a concretização dos projetos individuais e coletivos de desenvolvimento profissional e de melhoria das práticas dos docentes de Língua e Cultura Portuguesas no estrangeiro. Esta formação, de modo geral, pretende contribuir para que professores de ensino de Português contactem com e desenvolvam práticas de diferenciação pedagógica nas aulas de Língua Portuguesa.

Objetivos gerais do curso

- caracterizar os formandos e perceber as suas expectativas face à formação;

- discutir e  operacionalizar o conceito de Diferenciação Pedagógica;

- refletir sobre as diferentes propostas elaboradas pelos docentes.

Objetivos específicos

- discutir e compreender os conceitos de diversidade e diferenciação pedagógica;

- tomar conhecimento de diferentes exemplos de atividades de diferenciação pedagógica;

- elaborar um conjunto de atividades diferenciadas de acordo com níveis de proficiência;

- partilhar e analisar as diferentes propostas elaboradas pelos docentes.

Destinatários

Docentes de Português no Estrangeiro

Docentes do 1.º CEB e de Língua Portuguesa e Línguas Estrangeiras do 2.º CEB, 3.º CEB e Secundário

Número máximo de formandos a admitir:

20

Duração:

O curso tem uma duração de 25 horas.

Propina:

200€

(A frequência deste curso é, no ano civil de 2017, gratuita para docentes da rede de Ensino do Português no Estrangeiro do Camões, I.P., sendo os custos suportados pelo Camões, I.P.)

Conteúdos programáticos

  1. Educação inclusiva
  2. Diversificação e diferenciação: discussão de conceitos
  3. Medidas de apoio: Tipologias de atividades de diferenciação pedagógica
  4. Exemplos de estratégias didáticas centradas na diferenciação
  5. Construção de estratégias e recursos de diferenciação

Métodos pedagógicos a utilizar

Passos metodológicos: (metodologia teórico/prática)

1. Discussão e clarificação de conceitos inerentes à temática da formação

2. Seleção de estratégias de diferenciação e subsequente construção de atividades para a sala de aula

3. Partilha e análise das diferentes propostas elaboradas pelos docentes 

Avaliação

A avaliação dos formandos será realizada a partir: (i) dos trabalhos desenvolvidos no decorrer da formação; (ii) de um relatório reflexivo individual, a propósito dos temas abordados na formação e sua implicação pedagógico-didática.

Para além disso, será aplicado aos docentes um inquérito no início e no final da ação.

A avaliação final será quantitativa, orientando-se por uma escala de 1 a 10. Em atenção à Carta Circular CCPFC 3/2007, o referencial das menções qualitativas terá como base o Estatuto da Carreira Docente, que estabelece:

- Excelente – 9 a 10 valores;

- Muito bom – de 8 a 8,9 valores;

- Bom – de 6,5 a 7,9 valores;

- Regular – de 5 a 6,4 valores;

- Insuficiente – de 1 a 4,9 valores.

Creditação

N.º créditos: 1

Registo de acreditação: CCPF/ACC-86454/16

Para os efeitos previstos no artigo 5º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos: 110, 120, 200, 210, 220, 300, 310, 320, 330, 340, 350

Camões, I.P.
Usamos cookies no nosso site para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.