França: Festival “Chantiers d’Europe” arrancou com sabor português

Publicado em segunda, 09 junho 2014 11:19

A 5.ª edição do Festival "Chantiers d'Europe" arrancou no "Théâtre de la Ville", em Paris, numa noite em que a poesia de Fernando Pessoa e Luís de Camões cativaram o público num espetáculo dedicado à "Europa dos Poetas".

O festival de teatro, dança, música, cinema e artes visuais vai reunir até 28 de junho, na capital francesa, cerca de 50 artistas de Portugal, Espanha, Grécia e Itália para "apagar as fronteiras entre as diferentes artes e os artistas", declarou o diretor do "Théâtre de la Ville", Emmanuel Demarcy-Mota, no lançamento do festival.

O encenador lusodescendente sublinhou que esta edição tem "um significado muito especial", depois do resultado das eleições europeias (numa referência à vitória de um partido de extrema-direita em França), considerando que "a melhor forma de resistir é honrar a Europa dos poetas, a Europa da diversidade das línguas e da livre circulação dos artistas".

Na abertura, no dia 4 de junho, Emmanuel Demarcy-Mota subiu ao palco acompanhado pela vereadora da cultura da Câmara de Lisboa, Catarina Vaz Pinto, depois de no ano passado Portugal e a capital portuguesa terem sido o tema do festival.

"O festival tem sido dedicado aos países da Europa do sul e, para nós, que estamos sempre um pouco afastados do centro de decisões da produção e distribuição artística, trata-se de uma janela para mostrar a imaginação e a criatividade que existe nos nossos países. Nesta Europa em crise, o festival é um espaço de apoio para elevar o papel da cultura no futuro da Europa", declarou Catarina Vaz Pinto.

O coreógrafo português Tiago Guedes, leva dois espetáculos ao festival: "Hoje", no "Théâtre de la Cité Internationale", a 5 e 6 de junho, e "Materiais Diversos", no "Théâtre de la Ville", a 7 de junho.

"Hoje retrata os tempos atuais, nomeadamente a realidade dos jovens em Portugal, uma realidade completamente inconstante, em que o desemprego jovem tem uma percentagem muito elevada e onde não se sabe muito bem o chão que se pisa. O espetáculo foi pensado através desta ideia do chão completamente movediço, em que se desenrolam várias relações em palco entre sete bailarinos, como a construção de uma comunidade em estado de alerta", declarou Tiago Guedes.

Abordagem diferente é a de "Materiais diversos", construída no início da sua carreira e que constitui "uma espécie de viagem iconográfica entre o corpo e os materiais do quotidiano - plásticos, jornais, tesoura -, permitindo construir uma viagem imaginária através de uma paisagem que cruza a coreografia com as artes plásticas", acrescentou.

Ainda na dança, Portugal volta a estar em destaque com o espetáculo "Jim", do coreógrafo Paulo Ribeiro, de 10 a 14 de junho, no "Théâtre des Abbesses", e com "António & Miguel", uma colaboração entre o italiano Antonio Tagliarini e o português Miguel Pereira, a 24 de junho, no "Théâtre de la Ville".

No teatro, a companhia Teatro Praga apresenta "Tear Gás" a 17 de junho, no "Théâtre de la Ville", e a companhia Cão Solteiro apresenta "Encyclopedia: X" a 20 e 21 de junho, no "Théâtre de la Cité Internationale".

Ainda na programação, destaque para o "Concerto para Bebés", de Paulo Lameiro, a 15 de Junho, no "Théâtre de Paris-Villette", e para a banda Oquestrada, a 17 de Junho, na sala "Le Monfort".

Paralelamente ao festival, o Centro Cultural Português em Paris organiza debates em torno dos filmes "Redemption", de Miguel Gomes, e "Photo", de Carlos Saboga, enquanto a delegação parisiense da Fundação Calouste Gulbenkian propõe um espetáculo multimédia de dança de Paulo Henrique e a Casa do Brasil da Cidade Universitária organiza um recital de poemas de Fernando Pessoa.

Fonte: Lusa

 

 

  

 

Tópicos neste artigo:
Camões, I.P.
Usamos cookies no nosso site para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.