EUA: Iberian Suite, um Festival dedicado à cultura dos países de língua portuguesa e espanhola

Publicado em quarta, 25 fevereiro 2015 17:46

O Kennedy Center for the Performing Arts apresenta em Washington DC, de 3 a 24 de março de 2015, o Festival Iberian Suite: Global Arts Remix, uma mostra “sem precedentes” que dá a conhecer nos EUA a arte e a cultura dos países de língua portuguesa e espanhola, congregando cerca de 600 artistas, provenientes da Península Ibérica, África, América Latina e Ásia.

Rodrigo Leão, António Zambujo, Carminho, Camané, The Gift, Diogo Infante, Vhils, Nuno Vasa, Gonçalo M. Tavares, Dulce Maria Cardoso, Eduardo Souto de Moura, Álvaro Siza Vieira, Companhia Portuguesa de Bailado e Teatro Meridional são algumas das presenças portuguesas envolvidas neste Festival, que segundo estimativas poderá atrair “meio milhão de espetadores”.

A iniciativa, que tem o apoio do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, I.P., irá destacar “as muitas culturas compreendidas pelos povos de língua espanhola e portuguesa e o impacto que tiveram em todo o mundo, bem como a vasta influência abraçada por esta região vinda de outras culturas”. Os múltiplos eventos desenrolar-se-ão em salas de espetáculo, halls e diferentes espaços para eventos culturais.

Segundo Alicia Adams, responsável pela curadoria do festival, “Iberian Suite inclui ao todo aproximadamente 600 artistas, vindos tanto da Península Ibérica como de África, América Latina e Ásia, que mostram a extraordinária troca que ocorreu entre países desde os exploradores do século XV até hoje”.

Dos países de língua portuguesa poder-se-ão ver produções culturais de Angola, Brasil, Cabo Verde, Moçambique e Portugal, com a participação de criadores, artistas, autores e companhias de países de língua portuguesa, indo da dança às artes plásticas, da música ao teatro, passando pela literatura.

A lista é extensa. Compreende no teatro nomes de atores como Diogo Infante, que interpreta Ode Marítima, de Álvaro Campos, e das companhias de teatro Mundo Perfeito, com os espectáculos Três dedos abaixo do joelho e By Heart, Mala Voadora, com What I heard about the world, peça que resulta do encontro da companhia com o coletivo britânico Third Angel, Teatro Meridional, que apresenta Contos em Viagem - Cabo Verde, e Companhia Hiato (Brasil), que leva O Jardim, a sua terceira criação.

Nas artes plásticas, Vhils criou um retrato de Fernando Pessoa utilizando páginas selecionadas dos escritos do escritor. A presença na música inclui a Orquestra Jovem do Estado de São Paulo, Manhattan Camerata e The Gift, músicos como Moreira Chonguiça (Moçambique), João Gil, Sofia Ribeiro, Luísa Sobral, Rodrigo Leão, António Zambujo, Carminho e Camané, estes dois últimos juntos num concerto dedicado ao Fado com a National Symphony Orchestra, orquestra residente do Kennedy Center.

No campo literário há escritores como Afonso Cruz, José Luis Peixoto, Ondjaki, Tatiana Salem Levy (Brasil), Gonçalo M. Tavares, Adriana Lisboa (Brasil), Dulce Maria Cardoso, e a Presidente da Fundação Saramago, Pilar del Rio, para um tributo ao Prémio Nobel da Literatura de 1998. E na dança, o Grupo Corpo (Brasil) e a Companhia Portuguesa de Bailado, com o espectáculo Fado, Rituals and Shadows, criado por Vasco Wellenkamp.

Para Ana Ventura Miranda, diretora do Arte Institute, de Nova Iorque, entidade parceira do festival e que é uma estrutura apoiada pelo Camões, I.P., “eventos como estes são fundamentais para o conhecimento do próprio país e para fortalecer a marca Portugal” num país do tamanho de um continente, como são os Estados Unidos”.

Para a programação do festival, o Arte Institute contribui com 4 instalações em diferentes locais do Kennedy Center e 5 concertos no chamado Millennium Stage, bem como com presenças em 4 dos 5 halls do centro.

Das instalações, destaque para Jangada de Pedra, baseada no livro de José Saramago com o mesmo título, da autoria dos dois prémios Pritzker portugueses, os arquitetos Eduardo Souto de Moura e Álvaro Siza Vieira, e que estará em exibição na praça exterior frente ao Kennedy Center.

Outra instalação é uma homenagem a Fernando Pessoa - A Journey of Imagination -, da responsabilidade do artista plástico e designer Nuno Vasa, desafiado a criar um elétrico de cortiça em tamanho real, simbolizando o poder dos livros e da literatura, e que alude a Lisboa e a Fernando Pessoa. A instalação “pretende também mostrar ao público americano uma forma de utilizar um material tradicional português como é a cortiça, mas com um uso moderno e contemporâneo”.

Haverá ainda uma estação em cortiça com painéis de Manuela Pimentel, que trabalha a ideia do azulejo de uma forma contemporânea. A artista tem ainda uma instalação onde se podem ouvir poemas de Fernando Pessoa e ditados populares portugueses. No Hall of States, exibem-se manequins do mundo inteiro inspirados em temas portugueses e espanhóis e em que os designers de moda portugueses Storytailors apresentam «dois vestidos extravagantes» encomendados especialmente para o festival.

A representação dos países de língua portuguesa no espetáculo de abertura do festival estará a cargo da fadista Carminho, do saxofonista de jazz moçambicano Moreira Chonguiça e da companhia de dança brasileira Grupo Coro, os quais atuarão ao lado de cantores, músicos e bailarinos do México, Estados Unidos, Bolívia, Espanha e Israel.

Programa

 

 

 

 

Tópicos neste artigo:
Camões, I.P.
Usamos cookies no nosso site para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.