António Guterres aclamado como novo Secretário-Geral da ONU

Publicado em quinta, 13 outubro 2016 16:16

O antigo primeiro-ministro António Guterres foi aclamado como novo secretário-geral das Nações Unidas pela Assembleia Geral da organização, no dia 13 de outubro de 2016, que assim ratificou a indicação do Conselho de Segurança.

 

O órgão que junta os 193 Estados membros da ONU confirmou em plenário a eleição do ex-Alto-Comissário para os Refugiados e antigo Primeiro-Ministro português. António Guterres substituirá o sul-coreano Ban Ki-moon a partir de 1 de janeiro do próximo ano, tendo por diante um mandato de cinco anos, até 31 de dezembro de 2021.

O embaixador russo Vitaly Churkin, presidente em exercício do Conselho de Segurança das Nações Unidas, saudou o conjunto dos candidatos ao cargo de secretário-geral, para depois reafirmar um “apoio incondicional” a Guterres.

Também a embaixadora dos EUA junto da ONU, Samantha Power, congratulou-se com a eleição de António Guterres, frisando que é “altamente qualificado” e “apaixonado” pela sua missão.

“Temos que ser pacificadores, tentar acabar com os conflitos na Síria, Iémen e Sudão do Sul. Embora sejam problemas dificéis acho que António Guterres vai fazer jus ao cargo”, assinalou Samantha Power.

António Guterres assume formalmente o cargo a 1 de janeiro de 2017 e pelo período de cinco anos, mandato que pode ser renovado a partir de 1 de janeiro de 2022.

Na sua intervenção, em inglês e depois francês, António Guterres disse estar perante a Assembleia Geral com "humildade, gratidão e profundo sentido de responsabilidade".

O Secretário-Geral eleito frisou que "a credibilidade" da ONU é a vencedora do processo transparente da sua eleição e reafirmou que a paridade de género será "uma prioridade" do seu mandato

"A proteção e o empoderamento das mulheres são e continuarão a ser" uma prioridade, assegurou António Guterres, que depois dirigiu palavras de agradecimento ao ainda Secretário-Geral, com quem trabalhou enquanto Alto- Comissário para os Refugiados (2005-2015).

Mostrando-se "consciente dos desafios que a ONU enfrenta e das limitações" do Secretário-Geral, António Guterres frisou que "ninguém tem todas as respostas" nem deve querer "impor a sua vontade" aos Estados membros, pelo que será "um mediador, um construtor de pontes e um negociador honesto para encontrar soluções".

Em espanhol, António Guterres deixou uma palavra de agradecimento aos capacetes azuis espalhados pelo mundo e fez um apelo aos Estados membros para não deixarem que "comportamentos repugnantes" da parte de alguns dos seus militares possam manchar as Nações Unidas. Uma intervenção que o Secretário-Geral eleito fez questão de terminar em português com um “ Muito obrigado”.

A sessão, em que participou o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, começou com uma homenagem de condolências ao falecido Rei da Tailândia, em que os representantes permanentes se levantaram e ficaram um minuto em silêncio.

Aceda aqui à intervenção de António Guterres: http://www.rtp.pt/noticias/mundo/discurso-de-antonio-guterres-na-assembleia-geral-da-onu_v953911

Com DN, Expresso, RTP e TV ONU

 

 

Tópicos neste artigo:
Camões, I.P.
Usamos cookies no nosso site para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.