França: Crise, música e humor em concerto em Paris

Publicado em quarta, 23 maio 2012 15:53

‘Gritos’ e ‘crise’ em francês são quase a mesma palavra. E ‘Les Cris de la Crise: Musique et Crise Financière’ é precisamente o título do concerto que decorrerá a 24 de maio na Residência André de Gouveia – Fundação Calouste Gulbenkian, em Paris, organizado pela cátedra ‘Lindley Cintra’ da Universidade de Paris Ouest Nanterre La Défense e o Leitorado de Paris 8 do Instituto Camões, em colaboração com o Festival ‘Parfums de Lisbonne’.

Segundo os promotores, «o concerto propõe uma abordagem humorística da crise relatada pela música erudita e pela literatura ao longo dos tempos», ou seja, ‘De Hamurabi a Abu Dhabi’.

As interpretações, no relato bem-humorado dos organizadores, estão a cargo de «uma coleção de artistas de primeira grandeza», «pela primeira vez no Universo, na Terra, na Europa e finalmente em França/Paris», a saber, a «internacional» Helena Afonso (soprano), «a grande especialista em canto direto», o pianista José Manuel Brandão, «o mágico do marfim e ébano», e «‘last but not least’, em exclusivo, numa reaparição única, o barítono humorístico António Wagner Diniz que, para a ocasião, usará o seu heterónimo: Luís Lobato».

António Wagner Diniz, com o diploma superior de canto do Conservatório Nacional, foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian em Paris, com Elizabeth Grümmer, e na Academia de Música de Basel, com Kurt Widmer, obtendo os diplomas superiores de canto de concerto e de ópera.

Tem uma extensa lista de colaborações com cantores líricos, orquestras e maestros europeus e participa regularmente com as temporadas de ópera do Teatro Nacional de São Carlos em Lisboa. É membro dos Segréis de Lisboa, do Real Teatro de Ópera de Queluz e da International Opera Company.

É ainda professor de Canto da Escola de Música do Conservatório Nacional de Lisboa desde 1987 e foi diretor desta Escola entre 2000 e 2009. Atualmente é diretor-adjunto com a responsabilidade do projeto das Orquestras Geração (aplicação em Portugal do método “El Sistema” da Venezuela). Em 2010 recebeu do Ministério da Educação português o Prémio Nacional de Professores para a Inovação.

Quanto a José Brandão,realizou os seus estudos de piano com Helena Sá e Costa, tendo concluído o seu diploma em 1986, pelo Conservatório do Porto. Recebeu o segundo lugar ex-æquo do Concurso Nacional de Piano da Juventude Musical Portuguesa.

É licenciado em Ciências Musicais pela Universidade Nova de Lisboa. Na Guildhall School of Music and Drama de Londres realizou uma pós-graduação de Acompanhamento ao Piano. Recebeu os prémios de melhor pianista acompanhador dos concursos John Ireland’95 e Schubert Lieder’96.

É professor na Escola de Música do Conservatório Nacional de Lisboa e na Escola Superior de Música de Lisboa. Apresenta-se regularmente no Centro Cultural de Belém, no Teatro São Luiz, na Fundação Calouste Gulbenkian – Delegação em França, na Ópera de Lille, entre outros locais.

Programa

 

 

Tópicos neste artigo:
Camões, I.P.
Usamos cookies no nosso site para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.