Primeiro Dia Internacional da Caridade assinala-se a 5 de setembro

Publicado em quinta, 05 setembro 2013 17:00

O Dia Internacional da Caridade comemora-se, pela primeira vez, a 5 de setembro de 2013, uma celebração proclamada pela Assembleia-Geral das Nações Unidas e que coincide com o aniversário da morte de Madre Teresa.

A propósito da data, o Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, destaca em mensagem oficial o “papel importante” da caridade para o progresso do trabalho da ONU.

Ban Ki-moon acrescenta ainda que o “papel da caridade pode e deve crescer”, especialmente “numa altura em que pretendemos acelerar os nossos esforços para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio e definir uma agenda audaz para o período pós-2015”.

A mensagem oficial da ONU termina com um pedido de Ban Ki-moon: “Neste Dia Internacional, exorto as pessoas em todo o mundo, de todas as idades, para agir com base num impulso caritativo que reside em todos os seres humanos.”

 

Mensagem na íntegra:

A caridade desempenha um papel importante no apoio aos valores e na progressão do trabalho das Nações Unidas. Doações de tempo ou de dinheiro; envolvimento voluntário numa das suas próprias comunidades ou no outro lado do mundo; atos de caridade e bondade sem esperar uma recompensa; estas e outras expressões de solidariedade global ajudam-nos na nossa procura partilhada de viver em harmonia e de construir um futuro pacífico para todos.

Saúdo esta primeira celebração do Dia Internacional da Caridade, que foi proclamada pela Assembleia-Geral das Nações Unidas no ano passado e que coincide com o aniversário da morte da Madre Teresa, cuja vida e boas obras, por alguns dos mais pobres e dos vulneráveis da família humana, impulsionaram a emulação no mundo inteiro.

Estranhamente, a caridade é, por vezes, dispensada, como se fosse ineficiente, inapropriada ou mesmo humilhante para o beneficiário. “Isto não é caridade, isto é um investimento”, empenham-se alguns doadores em afirmar. Vamos reconhecer a caridade por aquilo que é no essencial: uma nobre empresa que visa melhorar a condição humana.

Numa altura em que pretendemos acelerar os nossos esforços para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio e definir uma agenda audaz para o período pós-2015, o papel da caridade pode e deve crescer.

Organismos das Nações Unidas, como o Programa de Voluntários e a UNICEF, proporcionam lugares para que pessoas em todo o mundo se possam envolver. Ao estabelecer o Dia, a Assembleia-Geral solicitou que a caridade fosse encorajada através da educação e de atividades de promoção e sensibilização; iniciativas tais como a promovida pelo Impacto Académico das Nações Unidas, intitulada ASPIRE – Ação dos Estudantes para Promover a Inovação e a Reforma através da Educação – têm encorajado jovens, mulheres e homens, a assumirem a responsabilidade de garantir que os seus pares menos afortunados tenham a possibilidade financeira de frequentar a escola. As agências humanitárias das Nações Unidas dependem das doações caridosas do público assim como da generosidade dos governos em continuar o seu trabalho de salvar vidas na resposta a desastres naturais, conflitos armados e a outras emergências.

Neste Dia Internacional, exorto as pessoas em todo o mundo, de todas as idades, para agir com base num impulso caritativo que reside em todos os seres humanos.

 

 

Tópicos neste artigo:
Camões, I.P.
Usamos cookies no nosso site para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.