Cerimónia de Tomada de Posse do Vice-Presidente do Camões, I.P.

Realizou-se no dia 15 de março de 2016, às 18h00, na Sede do Instituto, a cerimónia de tomada de posse do Vice-Presidente do Camões-Instituto da Cooperação e da Língua, Gonçalo Teles Gomes. Um ato presidido pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e que contou com a presença da Secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Teresa Ribeiro, do Conselho Diretivo, das chefias e outros colaboradores da instituição.

Na intervenção que proferiu, Augusto Santos Silva sublinhou a importância da política de cooperação para o desenvolvimento, referindo que não se pode confundir com assistencialismo.

Defendeu como prioridade da cooperação portuguesa “a capacitação institucional, a formação dos quadros, em particular médios e superiores, o apoio à melhoria dos sistemas de governação, quando os países entendem precisar desse apoio e que deve ser Portugal a prestá-lo”, e exemplificou com a capacitação num domínio muito crítico como a segurança”.

Augusto Santos Silva enfatizou que “não há nenhuma contradição” entre a cooperação e a internacionalização económica tendo especificado que “facilitar o investimento, as trocas e o comércio, colocando-os na perspetiva de ações de desenvolvimento de que todas as partes podem beneficiar é a melhor estratégia para que a cooperação se aprofunde”.

Quanto aos parceiros, referiu que se mantém a prioridade dos países africanos de língua oficial portuguesa e Timor-Leste, mas está entre os objetivos do Governo alargar a cooperação para o desenvolvimento a outras regiões, mas também desenvolver e estabelecer parcerias com países como a Alemanha e França para a cooperação em África, aproveitando "as capacidades muito grandes" de Portugal.

O chefe da diplomacia portuguesa identificou como um problema o “declínio do investimento financeiro, mas sobretudo político”, na cooperação portuguesa nos últimos anos, tendência que disse querer abandonar “tão rapidamente quanto possível”, lembrando que a proposta de Orçamento do Estado para 2016 prevê um aumento na verba destinada a este setor.

O Ministro Santos Silva referiu que o Conceito Estratégico da Cooperação se encontra em vigor desde 2014 até ao horizonte de 2020, integrando principais orientações da agenda internacional. Considerou, porém, que importa inovar em termos de cooperação para o desenvolvimento, referindo a diversificação das fontes de financiamento, nomeadamente provenientes da UE e de fundos multilaterais e internacionais, sendo também “mais ativo nas parcerias com agentes da sociedade civil, como universidades e politécnicos, fundações e organizações não-governamentais”.

Gonçalo Teles Gomes, que liderava o Consulado-Geral de Portugal em Maputo, interveio para afirmar que o Camões, I.P. é “uma casa com muita tradição” e lembrou que o Instituto faz parte da estrutura do Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE). Enfatizou por isso que “somos todos MNE e trabalhamos todos no mesmo sentido”.

 

Camões, I.P.
Usamos cookies no nosso site para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.