Inauguração da Exposição “ Sob um Sol de Agulhas” de Francisco Pinheiro no Camões, I.P.

A Sala de Exposições da Sede do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, I.P. acolheu no dia 6 de abril de 2016, às 18h30, a inauguração da exposição de Francisco Pinheiro intitulada “Sob um Sol de Agulhas”, com curadoria de Nuno Faria. Este evento resulta de uma parceria entre a Fundação Carmona e Costa e a Comissão Fullbright.

O Curador da exposição, Nuno Faria, descreveu o artista como alguém que “trabalha no ‘nada’, sendo percetível aquilo que existe entre as ‘curvas’, o ‘ar’ entre as peças”. Acrescentou que “Há sempre muito trabalho nas obras do Francisco e o uso de materiais efémeros”.

Descreveu a sala do Camões, I.P. como um espaço muito curioso para acolher uma exposição, acentuando que há uma história de arquitetura na sala. Ficou ainda impressionado com a forma como a luz atravessa as peças.

Nuno Faria anunciou ainda que “Haverá um encontro em torno da exposição e de algumas questões que atravessam o trabalho do Francisco, centrado na ‘Língua’ - enquanto palato, enquanto geografia… O mote será a frase de Fernando Pessoa: «A minha pátria é a língua portuguesa».

Francisco Pinheiro, natural de Lisboa, é artista visual e desenvolve o seu trabalho entre o desenho e a instalação. Investiga em torno de noções de tempo, narrativas coletivas e o seu significado.

Tem exposto em galerias e espaços como a Slow Track Gallery (Madrid, ESP), A Montra (Lisboa, PT), Diego Rivera Gallery (São Francisco, EUA), The Lab (São Francisco, EUA), 1038 Project Space (São Francisco, EUA), Museu de Arte Contemporânea de Elvas (PT), Espaço Campanhã (Porto, PT)) ou a Módulo - Centro Difusor de Arte (Lisboa, PT).

Entre novembro de 2014 e março de 2015 foi artista residente no Carpe Diem Arte e Pesquisa (Lisboa).

Em 2014, criou o coletivo West Coast com a artista Luísa Salvador, através do qual têm participado em diferentes eventos e exposições.

É mestre em Artes Plásticas pelo San Francisco Art Institute (EUA, 2014) como bolseiro Fulbright/Fundação Carmona e Costa.

A exposição estará patente até 20 de maio na Av. da Liberdade, nº 270, em Lisboa, e pode ser visitada todos os dias úteis entre as 09h30 e as 13h30 e entre as 14h30 e as 18h30.

Camões, I.P.
Usamos cookies no nosso site para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.