Desaparecimento da Professora Giulia Lanciani

O Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, I.P. e a Embaixada de Portugal em Roma manifestam o seu profundo pesar pelo falecimento da Professora Giulia Lanciani, uma brilhante académica, investigadora, tradutora e docente de Língua Portuguesa em Itália e, para várias gerações de lusitanistas e estudantes, uma referência ímpar na ligação entre os nossos dois países.

A Professora Giulia Lanciani deixa um contributo científico e académico de excelência e, sobretudo, um legado de amor à língua, às literaturas e às culturas de língua portuguesa. O Estado português reconheceu esse percurso único em outubro de 2010, ao conferir-lhe o título de Grande Oficial da Ordem do Infante Dom Henrique. Recebeu igualmente, ao longo da sua carreira, vários prémios e doutoramentos Honoris Causa pela Universidade Nova (2003) e a Universidade Clássica de Lisboa (2011).

Nota Biográfica

Professora universitária italiana (Roma, 16.5.1935). Licenciada pela Faculdade de Letras da Universidade de Roma, defendeu como tese de licenciatura a edição crítica e comentada do Auto das Regateiras, de António Ribeiro Chiado, logo publicada pelas Edizioni Ateneo de Roma. Assistente de Língua e Literatura Portuguesa da referida Faculdade, professora da mesma disciplina na Universidade de Veneza (Ca’Foscari), era professora catedrática de Literatura Portuguesa da universidade romana «La Sapienza» e também, desde 1980, de Literatura Brasileira.

A sua atividade de investigadora e os seus interesses científicos têm-se aplicado a vários campos dos estudos sobre literatura e língua portuguesas, desde a crítica textual e edição de texto à definição de modelos narrativos ou à metodologia da tradução. Diversos são também os períodos literários abrangidos pela sua investigação: da poesia medieval ao teatro do seco XVI, da literatura de naufrágios dos sécs. XVI e XVII à poesia e prosa do séc. XX, portuguesa e brasileira. Na variedade dos temas avultam, todavia, alguns núcleos fundamentais: 1.º) a obra do Chiado – da qual Giulia Lanciani nos ofereceu, além das edições do Auto das Regateiras e do tratado das Parvo ices (este, em ed. sinóptica das duas redações conservadas manuscritas), alguns estudos acerca da popularidade e das personagens do teatro chiadiano; 2.°) a lírica galego-portuguesa ¬ objeto também das edições críticas de dois trovadores, Fernan Velho e Ayras Veaz, e de artigos de reflexão e síntese sobre os géneros e os poetas; 3.°) os relatos de naufrágios – talvez o domínio que mais contribuiu para tornar G.L. uma referência indispensável no panorama da crítica literária portuguesa, desde que, em 1979, publicou, na «Biblioteca Breve», uma revisão crítica da consistência do corpus e propôs uma definição da matriz literária do género e da organização narrativa dos relatos (Os Relatos de Naufrágios na Literatura Portuguesa dos Séculos XVI e XVII).

O respeito pela genuinidade do texto foi uma das características marcantes do labor científico de G. L. Ao rigor filológico que distingue as suas edições de textos antigos associou a capacidade de refletir sobre problemas teóricos e de aplicar a crítica textual também a textos literários contemporâneos (designadamente, de Pessoa ou Manuel Bandeira), contando-se entre os colaboradores do projeto Archives de la Littérature Latino-Américaine et des Caraibes du XXe Siecle. E, a par do domínio dos instrumentos críticos, revelou uma fina sensibilidade, não só na interpretação e avaliação estética dos textos que analisa mas também nas requintadas traduções de autores portugueses (Fernando Namora, Sophia de Mello Breyner, Rui Belo, Nuno Júdice, José Saramago e, sobretudo, Carlos de Oliveira) ou brasileiros (Carlos Drummond de Andrade, Guimarães Rosa) e nas subtis construções hermenêuticas a respeito da obra de alguns destes autores.

Diretora do vol. Studi camoniani 80 e codirectora dos Studi latinoamericani 81 (Romanica Vulgaria – Quaderni, 2 e 4/5), colaborou com Giuseppe Tavani na organização do Dicionário de Literatura Medieval Galega e Portuguesa (Lisboa, 1993) e de uma Grammatica Portoghese (Milão, 1993).

 

O Camões - Instituto da Cooperação e da Língua, I.P. é um instituto público tutelado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros que tem por missão propor e executar a política de cooperação portuguesa e a política de ensino e divulgação da língua e cultura portuguesas no estrangeiro.

 

Lisboa, 15 de novembro de 2018


Gabinete de Documentação e Comunicação
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
T: 213 109 100

Camões, I.P.
Usamos cookies no nosso site para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.