José Malhoa e Francisco Vidal no Museu Nacional de Belas Artes do Chile

José Malhoa e Francisco Vidal são dois dos artistas contemporâneos que serão exibidos entre  o dia 7 de Setembro e o dia 7 de Novembro, com o apoio do Instituto Camões,  no Museu Nacional de Belas Artes do Chile através da mostra "Do Passado ao presente. Migrações."

Organizada para comemorar a Exposição Internacional de 1910 com a qual se celebrou o primeiro Centenário da República e a inauguração do emblemático edifício do MNBA. Com as obras dos artistas contemporâneos convocados, será montada uma selecção das obras que formaram parte da grande Exposição Internacional, realizada há cem anos no MNBA. Entre as obras selecionadas está Caballero de Calatrava de José Malhoa (Portugal, 1855 - 1933). Em diálogo com a obra de José Malhoa está “Pirataria e estudos sobre o Cavaleiro de Calatrava” (2010) de Francisco Vidal.

Em concordância com trabalhos anteriores, Vidal evoca obras primas do seu antecessor.  “Isto significa migrações das histórias pesquisadas, das imagens que se encontraram e das ligações que se produziram, até chegarmos à vertigem da pirataria tão contemporânea do artista”, explica a curadora Lúcia Marques.

Francisco Vidal nasceu em Lisboa  em 1978. Actualmente vive e trabalha em Lisboa e Berlim. Depois da formação em escultura na ESAD das Caldas da Rainha. Os objectos que cria têm diferentes escalas, desde o registo intimista de diário gráfico e de viagem, até aos grandes desenhos murais e pinturas de grandes dimensões. Tem participado em exposições colectivas, de que é exemplo a mostra itinerante Troca de Olhares, apresentada nos Centros Culturais do Instituto Camões em Luanda, Maputo e Praia (2007). Destacam-se ainda as individuais realizadas na Galeria 111 de Lisboa – Subbus (2006) – e do Porto – Ecotone (2007). Está representado no projecto Artafrica da Fundação Calouste Gulbenkian/Centro de Estudos Comparatistas da Universidade de Lisboa.

 

 

Camões, I.P.
Usamos cookies no nosso site para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.