Centro Cultural Português: «A Casa da Cultura da Guiné-Bissau»

Dia após dia, sucedem-se os eventos. Hoje é cinema, amanhã é inaugurada uma exposição e depois de amanhã tem lugar uma conferência ou é a abertura do Encontro de Teatro da Guiné-Bissau, como ocorreu a 7 de Abril último, um acontecimento que contou com a participação de 13 grupos de teatro guineenses.

Número 126   ·   4 de Junho de 2008   ·   Suplemento do JL n.º 983, ano XXVIII

A Casa da Cultura da Guiné-BissauMês após mês, o cenário é o mesmo. Em vez de artes plásticas pode ser música, em vez do início de um curso de informática, o lançamento de um livro. E o anúncio de novos eventos vai seguindo: «O Centro Cultural Português em Bissau tem o prazer de informar...».

Situado junto à Embaixada de Portugal em Bissau, o Centro Cultural Português/Instituto Camões (CCP/IC) não tem mãos a medir naquilo que só à primeira vista poderia parecer ser uma batalha stakhanovista da produtividade cultural. Uma situação só possível devido ao esforço dos seus responsáveis e ao quadro peculiar em que vive a Guiné-Bissau, dez anos depois do conflito interno que ensombrou este País de Língua Oficial Portuguesa na costa ocidental africana. O protagonismo vem do CCP vem do forte diálogo que mantém com as gentes da terra. O que explica a afirmação do responsável pela sua direcção, Frederico Silva, de que «o CCP/IC seguiu igualmente uma política activa de se assumir como Casa da Cultura da Guiné-Bissau».

A Casa da Cultura da Guiné-BissauSem a solicitação local dificilmente o CCP/IC se abalançaria a organizar um autêntico «festival» de teatro, como aconteceu nas suas instalações em Janeiro de 2007, quando, no que o responsável do Centro baptizou de «mês do teatro», tiveram lugar espectáculos, uma mostra de livros e de publicações de teor dramático, um «Curso de Artes Teatrais», ministrado por formadores portugueses e guineenses, um outro de formação de actores, um terceiro de artes de rua, um atelier de formação no fabrico de fantoches, uma exposição de fotografia, o lançamento de um livro sobre teatro e várias palestras, tudo isto com recurso sobretudo a agentes culturais locais e a um punhado de portugueses. Porque a realidade da Guiné-Bissau é essa: não faltam companhias de teatro (amadoras, claro), mas faltam meios e locais para acolher as múltiplas iniciativas a que a «sociedade civil» guineense dá corpo.

Um mês para cada tema

A Casa da Cultura da Guiné-BissauBissau não tem presentemente qualquer cinema ou teatro a funcionar. Há pequenos espaços expositivos, mas nenhuma biblioteca propriedade de entidades locais. Nem qualquer livraria. Existe uma editora e jornais que vivem com dificuldades. A televisão e a rádio são os principais meios de informação.

É tendo estas carências como pano de fundo que a actividade dos centros culturais estrangeiros ganha projecção. O plural é para dar conta também do centro cultural francês, o único, a par do português, com actividade regular - aulas de língua, exposições, cinema, música, etc. O centro cultural brasileiro, em pequenas instalações, tem uma actividade residual.

Ao longo de 2007 e 2008, o CCP/IC promoveu assim vários módulos de formação em teatro, cinema, marionetes, guitarra, literatura e criação literária, máscaras artesanais, fotografia e promoção cultural, com formadores oriundos, para além da Guiné-Bissau, de Portugal, Brasil, Cabo Verde, Senegal e Alemanha. O naipe de exposições realizadas foi também bastante amplo: da pintura às obras de design, dos temas históricos à tecelagem ou à caricatura. Editou ainda duas obras: um livro de contos de Marinho Pina (Guiné-Bissau) e um livro para crianças de autoras cabo-verdianas. No Centro foram igualmente lançados todos os livros recentemente editados de autores guineenses (Odete Semedo, Adulai Silá e Waldir Araújo).

A Casa da Cultura da Guiné-Bissau2007 foi, aliás, um ano de certa forma especial na vida do CCP/IC de Bissau. Cada um dos primeiros nove meses do ano foi dedicado a uma área cultural específica. Depois do teatro, em Janeiro, seguiu-se o mês do cinema, em Fevereiro, em que para além de conferências de cineastas portugueses, se realizou o Fórum O cinema na Guiné-Bissau. Março foi o mês das Artes Plásticas, com a organização do respectivo Fórum. O Livro, a Literatura e a Edição foi o tema de Abril, em que teve lugar um atelier de criação literária com Teresa Montenegro e o Fórum A Literatura na Guiné-Bissau. O mês de Maio foi dedicado às Artes Tradicionais. Uma exposição sobre urbanismo e património marcou Junho, o mês da História, do Património e do Urbanismo. Julho trouxe a CPLP, a Lusofonia e a Língua Portuguesa, com espectáculos musicais, mostras bibliográficas e documentais, palestras, fóruns, debates e concursos escolares. O mês da Música e da Dança, em Setembro, foi assinalado por espectáculos musicais, com os principais artistas e grupos da Guiné-Bissau. E Outubro, mês da Cultura versus Desenvolvimento, acolheu um fórum com Organizações Não-Governamentais (ONG) e parceiros internacionais da Guiné-Bissau e exposições temáticas sobre a acção das ONG. Temas que marcaram cada mês, mas que estiveram longe de esgotar a actividade do CCP/IC de Bissau.

A Casa da Cultura da Guiné-BissauPara além de acolher as manifestações culturais desenvolvidas por entidades guineenses, bem como promover actividades culturais de criadores portugueses que se deslocam a Bissau, o CCP/IC mantém acções regulares de formação em Língua Portuguesa. Cerca de um milhar de candidatos tenta todos os anos a sua sorte para aceder às vagas disponíveis para o curso de Língua Portuguesa. Este está organizado em três módulos: níveis intermédio e avançado e para estrangeiros.

Os cursos, com a duração de 8 meses, são ministrados por professores portugueses presentes em Bissau, ao abrigo do projecto do IPAD/Ministério da Educação, denominado Programa de Apoio ao Ensino da Guiné-Bissau (PASEG), e destinam-se a profissionais da comunicação social, administração central e educação, e público em geral. Com turmas de 25 alunos por curso, são abrangidos entre 200 e 300 alunos anualmente. Os professores do PASEG também ministram aulas complementares de domínio da Língua Portuguesa aos alunos do curso da Faculdade de Direito de Bissau e aulas de aperfeiçoamento de Língua Portuguesa - Língua Segunda a estudantes, do ensino médio e universitário.

Remodelação

A Casa da Cultura da Guiné-BissauEntre os guineenses também suscita particular interesse a consulta de livros, revistas e publicações na biblioteca do CCP, bem como a utilização da sala de estudo e leitura das instalações. O somatório de espectadores dos eventos, de integrantes das formações e de frequentadores da sala de leitura e consulta ascende a vários milhares. Ao longo do tempo foi feita uma ampla distribuição de livros, material escolar, revistas e jornais, filmes em DVD, exposições em cartaz, brinquedos e material didáctico, etc., a um muito alargado número de escolas e outras entidades da Guiné-Bissau.

A actividade do CCP, que também se desenrola noutros locais de Bissau que não apenas as suas instalações, estende-se mesmo a outras regiões da Guiné-Bissau : Gabu, Bafatá, Canchungo, S. Vicente, Varela, Tabató, com música, teatro, cinema e distribuição de livros.

Já antes de 1998, o CCP de Bissau tinha uma forte presença no terreno. O conflito obrigou à cessação das actividades, retomadas depois das obras de recuperação das suas instalações, realizadas em 1999. Em 2005, o CCP/IC entrou em obras de remodelação e ampliação de espaços. As obras terminaram no final de Novembro de 2006, tendo o Centro reaberto as suas portas no dia 2 de Dezembro de 2006.

Presentemente, no dizer dos seus responsáveis, o Centro reúne todas as condições, quer em termos de infra-estruturas, quer em termos de equipamento informático e audiovisual (também o auditório foi totalmente reequipado com material audiovisual) para desenvolver o seu trabalho na divulgação da Língua e da Cultura Portuguesa e na cooperação com a Guiné-Bissau.

Desde a sua remodelação, o CCP/IC estabeleceu parcerias com a quase totalidade das entidades guineenses com actividade na área cultural (Editora KUSIMON, Associação UBNTU, INEP-Instituto Nacional de Pesquisa, Ministério da Cultura, ONG, etc.) e com um leque diversificado de entidades portuguesas e de Cabo Verde.

«Praticamente todos os artistas plásticos e tradicionais da Guiné, todos os grupos de teatro, todas a figuras do cinema e do vídeo, todos os meios, muitos agrupamentos de música tradicional e associações de artes tradicionais encontraram no CCP um quadro de expressão da sua actividade», declara Frederico Silva.

 

Camões, I.P.
Usamos cookies no nosso site para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.