Uma «posição excepcional»

Língua Portuguesa no Senegal

O que é que leva 18 mil jovens, 17 mil dos quais no ensino médio e secundário, os restantes no ensino superior, a estudarem Português no Senegal? A resposta não é simples e as explicações podem saber a pouco, até porque o domínio da Língua Portuguesa ainda não é um passaporte para a prosperidade, apesar da crescente procura do mercado.

Número 128   ·   30 de Julho de 2008   ·   Suplemento do JL n.º 987, ano XXVIII

Senegal
Dacar. Foto de Neil Rickards
O facto é que, segundo o leitor de Português na Universidade Cheikh Anta Diop (UCAD), José Horta, «a Língua Portuguesa ocupa, realmente, uma posição excepcional no sistema de ensino» do Senegal, país que tem desde este mês o estatuto de observador associado da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

O Português está hoje presente nas escolas de dez das onze regiões do Senegal, onde é leccionado por cerca de 170 professores senegaleses, avança José Horta (n. 1951), também responsável pelo Centro de Língua Portuguesa em Dacar, a capital do Senegal. Na UCAD, cerca de 700 estudantes frequentam o curso de Estudos Portugueses do Departamento de Línguas e Civilizações Românicas da Faculdade de Letras e Ciências Humanas. Duas centenas de estudantes de outros departamentos têm o Português como língua de opção. E na Faculdade de Ciências e Tecnologias da Educação e da Formação (FASTEF) há mais de 60 estagiários de Português, que se preparam para a docência.

O papel de Senghor

Esta realidade é tanto mais surpreendente quanto, como admite José Horta, «os vultos e os factos da cultura portuguesa contemporânea são muito pouco conhecidos» dos senegaleses. Tal como para os portugueses a África se restringe muitas vezes aos PALOP, «para os senegaleses, a Europa restringe-se a França e aos países onde são mais significativas as comunidades de emigrantes senegaleses, como Itália e Espanha».

«De Portugal, os senegaleses conhecem, eventualmente, o nome do primeiro-ministro, provavelmente o de Durão Barroso e, mais provavelmente ainda, por força da mediatização do futebol, o de Cristiano Ronaldo, Deco ou Mourinho», refere o leitor da UCAD. Este estado de coisas só é «diferente em algumas zonas do Sul, mais próximas da fronteira com a Guiné-Bissau, onde é possível sintonizar emissões de rádio portuguesas (ou em português) e captar a RTP-Internacional». São pois «escassas, para o cidadão comum (...) as referências culturais europeias e ocidentais, inclusive as relativas a França», apesar de o Senegal ser um país francófono, sublinha José Horta.

Senegal
Praça da Independência, Dacar, Senegal. Foto Serigne Diagne
Apenas as elites senegalesas e, em particular, alguns investigadores universitários têm a percepção da significativa influência portuguesa no Wolof (língua veicular do Senegal), na toponímia local, na antroponímia (por via das comunidades cabo-verdiana e guineense) e até na culinária (v. neste caderno o artigo A influência portuguesa).

A ampla difusão do ensino do Português resulta assim de «diferentes factores», nomeadamente históricos - Portugal está presente na costa ocidental africana desde o século XV -, mas fundamental, sugere José Horta, foi o papel de Leopold Sedar Senghor, primeiro Presidente do Senegal, poeta e intelectual humanista, que «partilhava duas matrizes: a africana e a dos valores da latinidade». Senghor «compreendeu, desde muito cedo, a importância que a aprendizagem das línguas assume na promoção do diálogo universal», acrescenta.

Logo em 1961, um ano após a independência do Senegal, lembra José Horta, Senghor instituiu o Português como língua estrangeira opcional no secundário, onde hoje se mantém (tendo sido estendido ao ensino médio), a par do Alemão, Árabe, Espanhol, Italiano e Russo (o Francês é a língua oficial e o Inglês língua estrangeira obrigatória). Esta situação torna o Senegal um «caso exemplar» quanto à aprendizagem de línguas estrangeiras, frisa José Horta.

Na Universidade, o Português foi introduzido em 1972-73, também por iniciativa de Senghor. Dois anos mais tarde, restabelecidas as relações diplomáticas entre Portugal e o Senegal, Lisboa passou a enviar leitores para leccionarem na UCAD. Os primeiros professores profissionalizados de Português Língua Estrangeira iniciaram a sua formação em 1976-77.

Motivações

Para o sucesso do Português outros factores haverá, como o empenho dos professores e a curiosidade dos senegaleses por línguas e a facilidade com que as aprendem, mas a vizinhança com a Guiné-Bissau e Cabo Verde e a presença no Senegal de dinâmicas comunidades imigrantes destes dois países lusófonos, que falam crioulos de base lexical portuguesa, também contam.

No concreto, as motivações que levam tantos jovens senegaleses a optarem por estudar Português podem, segundo o leitor, «ter que ver com algum tipo de relação afectiva com a língua, ou melhor, com a memória da cultura que ela veicula, e com expectativas profissionais, na área da docência ou da tradução/interpretação, o que é estimulado pela importância da Língua Portuguesa na sub-região».

José Horta admite que, muitas vezes, estas expectativas saem frustradas, porque «a taxa de sucesso, nomeadamente a nível superior, é muito reduzida e, para os que têm sucesso escolar, a docência é a única via possível», devido à inexistência de instituições que possam dar formação na área do Português em sectores como a tradução/interpretação, o turismo, o secretariado, a investigação, etc.

Essa «relação afectiva» com a língua é patente na região de Casamansa onde, diz José Horta, a aprendizagem do Português está «fortemente implantada», representando cerca de metade dos alunos de Língua Portuguesa do Senegal. Em muitos estabelecimentos de ensino, é a língua estrangeira opcional com maior número de aprendentes (v. neste caderno artigo Casamansa).

 

O perfil do estudante universitário

Na maior parte dos casos, o estudante universitário senegalês entra na Secção de Português da Faculdade de Letras da Universidade Cheikh Anta Diop (UCAD) após três anos de aprendizagem da Língua Portuguesa, que surge frequentemente para ele depois da língua materna (muitas vezes o diola, de Casamansa), do wolof (língua veicular), do francês (língua oficial) e do inglês (língua estrangeira obrigatória).

Os alunos de Português são maioritariamente do sexo masculino e, em média, têm no 1º ano 22 anos de idade, reflexo de uma escolarização tardia e de elevadas taxas de insucesso escolar.

Cerca de metade dos estudantes de Português na UCAD são oriundos da Casamansa (predominantemente de Ziguinchor), em concordância com o grau de implantação do Português nos estabelecimentos de ensino desta região.

 

Camões, I.P.
Usamos cookies no nosso site para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.