Passeio sonoro

Soundwalkers apresentado no festival de Subtropics de Miami

«Pensávamos que [o silêncio] existia, mas ele não existe». John Cage (in Musicage. case Muses on words, art, music. John Cage in conversation with Joan Retallack. Wesleyan University Press, 1996)

A intenção era fazer um documentário. E é um documentário. Mas Soundwalkers (‘Os caminhantes do som\', numa tradução literal) é mais do que isso, pelo notório cuidado estético com que foi rodado e, sobretudo, pela forma como as suas imagens foram tratadas e depois montadas.

Número 136   ·   11 de Março de 2009   ·   Suplemento do JL n.º 1003, ano XXVIII

Soundwalkers
Soundwalkers
Soundwalkers foi agora apresentado a 28 de Fevereiro na sua versão definitiva - com o apoio do Instituto Camões, que financiou a deslocação da realizadora Raquel Castro e de outro elemento da sua equipa - no festival Subtropics, de Miami, um evento de soundart - ou seja, «um conjunto de práticas artísticas que têm como ponto de partida o som (no seu sentido mais abrangente) e a audição», na explicação da directora portuguesa.

Como classificá-lo - uma peça informativa, uma peça de arte?  - é uma questão que «deixa algumas dúvidas» a Raquel Castro. «Para mim, é um documentário. Inicialmente atribuí-lhe o conceito de filme-ensaio, uma vez que pretende interpelar, fazer pensar e esboçar algumas respostas. No entanto, tem sido referido como um documentário artístico, uma vez que a imagem é bastante trabalhada e a montagem é trabalho de autor. O filme tem um olhar, preocupações formais, composições sonoras e portanto, tem autoria», que Raquel Castro estende ao seu marido Tó Trips (António Antunes), pela sua intervenção no grafismo e na música do filme.

Soundwalkers
Soundwalkers
Posto isto, o filme segue os cânones gerais de um documentário. Como explica a realizadora, «o filme é feito maioritariamente por entrevistas que realizei em vários lugares a várias pessoas que, de uma forma ou de outra, têm uma relação especial com o Som» - sejam eles, músicos ou artistas do som (sound artists), responsáveis políticos pelo ambiente sonoro ou «porque reflectem sobre o Som no trabalho que desenvolvem (física acústica, musicólogo, professores, arquitecto)».

É mediante o ‘diálogo\' cruzado entre estes depoimentos, interpolados com imagens intensamente sonoras, que Soundwalkers equaciona algumas questões que Raquel Castro resume em três pontos; «O que é o Som e qual a importância de se pensar o Som nos dias de hoje? Quais são os problemas da nossa Paisagem Sonora? Ruído e Silêncio; Qual é a solução? Design, Arte (música versus soundart) e consciência sonora».

Um exemplo do tipo de abordagem que o filme faz a estes tópicos está no debate, por via dos depoimentos, sobre o ruído - ora definido como «o que é diferente de música, do discurso articulado, diferente de sinais ou de alguma coisa que se tenta comunicar», ora visto como o som que é produzido com intenção por contraposição aos «sons naturais» produzidos sem intenção, pelo que, diz um entrevistado, «a principal fonte de ruído é justamente a música» -, em que é dita uma coisa e o seu contrário, dando conta da dificuldade de estabelecer critérios objectivos, como reconhece aliás Raquel Castro quando diz que «o ruído é, de facto, uma experiência bastante subjectiva».

Raquel Castro
Raquel Castro
Colocando várias questões sobre os problemas do mundo sonoro e pretendendo «fazer as pessoas pensar sobre o Som e sobre a importância que o nosso sentido da audição tem na maneira como nos relacionamos uns com os outros e com o mundo em geral», Soundwalkers acaba por funcionar como um momento fundador e inventariador de uma série documental a produzir sobre o tema, o que está nas intenções de Raquel Castro. «Ao longo destes últimos anos em que gravei entrevistas, recolhi sons e imagens, editei e reeditei o filme várias vezes, fui percebendo que existem vários tópicos que podem, e devem, ser aprofundados. Soundwalkers funciona como uma introdução a estes tópicos, abordando vários deles».

Daí que a deslocação de Raquel Castro a Miami não tenha tido apenas como objectivo apresentar o filme, mas também « continuar a desenvolver trabalho de investigação, recolha de entrevistas e pesquisa de novas temáticas», prosseguindo o seu projecto, uma vez que no Subtropics «estão presentes algumas das entidades mais conhecidas e influentes» do meio sonoro.

O interesse de Raquel Castro pelo Som (com maiúscula) surgiu quando colaborou com o realizador Tiago Pereira (conhecido pelo seu trabalho sobre a memória oral) na recolha por Portugal de «cantigas, lengalengas, dizeres e saberes populares».

«Esse trabalho fez-me reflectir sobre a forma como poderia identificar os lugares pelas suas características sonoras. Trás-os-Montes soava de uma maneira completamente diferente da Beira Litoral, por exemplo. Parti, portanto, da questão da identidade sonora», conta.

O tema tornar-se-ia mesmo no centro da sua actividade académica, tendo produzido uma tese sobre Ecologia Acústica, «com a principal preocupação de introduzir e explicar o tema», no âmbito de um mestrado em Ciências da Comunicação na Universidade Nova. Segundo revela, começou agora o seu doutoramento sobre A Paisagem Sonora de Lisboa: análise comunicacional da identidade acústica em 5 bairros da cidade, investigação que pretende levar a cabo nos próximos anos.

As várias ideias que circulam sobre o Som «giram em torno do mesmo», diz a realizadora. Trata-se de «pensar o Som e estar consciente dele, porque ele acontece a cada dado momento. Não esquecer que um dos principais legados de Cage é precisamente a ideia de que ‘o silêncio não existe\'».

Festival Subtropics

O Subtropics é essencialmente um festival de soundart. Por isso, explica Raquel Castro, grande parte dos projectos apresentados são concertos (em particular, de música electro-acústica), instalações e performances. O interesse deste festival, segundo a realizadora, reside no facto de ele ter lugar durante um mês em vários locais de Miami, incluindo a praia e as ruas. A edição que decorre este ano é a 20ª. (http://www.subtropics.org/)

 

Camões, I.P.
Usamos cookies no nosso site para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.