Aquela Biblioteca

Número 142 · 26 de Agosto de 2009 ·  Suplemento do JL n.º 1015, ano XXIX

Patrícia Ferreira já deixou a Roménia no final da sua colocação de três anos como leitora do Instituto Camões (IC) na Universidade de Bucareste. E, ao fazer o balanço, diz que sai com o sentimento do «dever cumprido», ou seja, apressa-se a explicar, com o sentimento de «ter cumprido todos os projectos a que se propôs».

Aquela Biblioteca«Para além das actividades lectivas e das actividades regulares do Centro de Língua Portuguesa/IC (CLP/IC), os projectos mais relevantes dentro do CLP/IC talvez tenham sido a informatização de toda a biblioteca e a criação do sítio do CLP/IC que inclui dois blogues, um dedicado às Novidades e Eventos e o outro dedicado aos Alunos, apresentando-se este último como um espaço para a publicação de textos/reflexões/comentários em língua portuguesa», diz Patrícia Ferreira em jeito de «balanço extremamente positivo» nesta entrevista por e-mail.

Desde Setembro de 2006, leccionou ao lado de quatro professoras romenas no Departamento de Português inserido na Cátedra de Linguística Românica, Línguas e Literaturas Ibero-românicas, da Universidade de Bucareste, onde ministrou Prática da Língua nos vários níveis de ensino (1º, 2º e 3º anos), Didáctica de PLE e (em 2006/07) um Curso Opcional de Linguística Textual. Foi ainda responsável pelo CLP/IC e colaborou com a Secção Cultural da Embaixada de Portugal em Bucareste.

Mas é do CLP/IC, situado na ‘Sala Portugal’ da Faculdade de Línguas e Literaturas Estrangeiras da Universidade de Bucareste, que fala com mais entusiasmo, pondo em destaque os meios técnicos do centro que lhe permitem, por exemplo, organizar ciclos de cinema, e a sua biblioteca de 3.400 livros que se distribuem pelas áreas da Linguística, Literatura Portuguesa, Brasileira e Africana, História e Geografia de Portugal, Cultura Portuguesa, Artes, Crítica Literária, Ciências Sociais e Didáctica; para além de várias revistas científicas e culturais, e cujo catálogo pode ser consultado em linha.

De resto, a lista de actividades realizadas em 2008/2009 mostra bem o que é a vida de um leitor: organizar encontros, seminários, cursos, ciclos, conferências, espectáculos e ainda acolher escritores, como aconteceu quando António Lobo Antunes visitou Bucareste este ano.

Hesita em responder à pergunta sobre a ideia que, na percepção dela, os romenos têm dos portugueses, mas sempre vai dizendo que «no geral, os romenos consideram os portugueses um povo hospitaleiro e disponível para com os outros». «Somos vistos como um povo corajoso e aventureiro, por causa do nosso passado histórico, mas também tristes e melancólicos, aspectos que se espelham na sonoridade do Fado (penso que, deste ponto de vista, estas ideias não divergem muito da opinião que outros povos têm de nós)», diz.

 

Camões, I.P.
Usamos cookies no nosso site para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.