Exposições: Falsos insectos e outras modas

Do clássico ao experimental, as exposições e eventos assimiláveis a essa categoria da VII Mostra Portuguesa em Espanha cobrem muitas frentes. A mais surpreendente exposição será a instalação sonora Art Insect Robots que Leonel Moura leva de 19 de Novembro a 2 de Dezembro à Mostra de Arte Sonora e Interactiva IN-SONORA, em Madrid.

O ensaísta e artista plástico português prossegue na sua exploração da robótica e da inteligência artificial, reeditando, aparentemente, uma instalação que apresentou em 2008 com base em pequenos robots – os BEAM, na sigla inglesa, para Biologia, Electrónica, Estética (Aesthetics) e Mecânica – que mimetizam uma nova espécie de vida, no caso artificial.

Contundente é a visão de pequenos robots semelhantes a gafanhotos aprisionados em vasos de vidro com forma de gota que «criam uma espécie de ambiente de som da selva».

Também a exposição Falsos Amigos, do cartonista Richard Câmara, que em 2008 integrou igualmente a Mostra com ilustrações sobre os aforismos de sabor popular de Fernando Pessoa, apresenta um conceito original. «Trata-se de um conjunto de obras gráficas que ilustram os falsos cognatos, palavras que soam ou se escrevem da mesma forma ou de uma maneira muito similar em duas línguas, neste caso entre o português e o castelhano, mas que têm significados diferentes e por vezes até opostos», explica este arquitecto português, residente em Madrid desde 2006. E exemplifica: espantoso, tanto pode querer dizer ‘maravilhoso’ (em português), como ‘horrível’ (em castelhano). «Isto dá azo a muitas confusões» e é explorando essas palavras semelhantes na forma, diferentes no sentido, que Richard Câmara apresenta o seu trabalho de 23 de Novembro a 11 de Dezembro no Pavilhão B da Universidade Autónoma de Madrid.

Uma contribuição para a programação das entidades espanholas que acolhem a Mostra Portuguesa é a exposição 12 trajes para a Ibéria, desenhadores espanhóis e portugueses dialogam com a literatura, o desenvolvimento de um conceito já apresentado pelos espanhóis em Tóquio, Pequim, Istambul e Milão.

A ideia é aproximar moda e literatura, pondo estilistas dos dois países a interpretar pelo traje personagens de textos de autores dos dois países ibéricos. «Na selecção das obras teve-se em conta os diferentes géneros literários, prosa, poesia e ensaio e o especial protagonismo de poderosas personagens femininas», diz Concha Hernández, comissária desta exposição que homenageia os 40 anos da publicação de Cem Anos de Solidão, de Gabriel Garcia Marquez.

De Portugal, temos a inspiração de Eça de Queirós, em O Primo Basílio, de José Saramago, em Todos os Nomes, e de Lídia Jorge, em Sou de Vidro, nas criações de José Tenente, Ana Salazar e Filipe Faísca, respectivamente.

Tanto os estilistas espanhóis como os portugueses convidados apresentarão as suas criações no 20º aniversário da feira hispano-portuguesa Fehispor, um evento multisectorial que terá lugar em Badajoz, de 26 a 29 de Novembro.

Num registo diferente, a moda é a 10 de Novembro, em Madrid, o tema de um encontro luso-espanhol de estilistas, que contará com uma intervenção do Modesto Lomba, do atelier de Devota&Lomba e presidente da Associação dos Criadores de Moda de Espanha, e do lado português dos estilistas Eduarda Abbondanza (presidente da Associação Moda Lisboa) e Miguel Vieira, num debate moderado pela directora da revista espanhola de moda ‘Yo Dona’, Charo Izquierdo.

Mais clássica é certamente a exposição O Azulejo em Portugal. Lugar de encontro de culturas (v. texto neste suplemento), na linha das mostras sobre História da Arte, que está patente em Cáceres até 15 de Novembro.

Na mesma linha, a exposição antológica sobre o escultor açoriano Canto da Maia (v. texto neste suplemento), que na 1ª metade do século XX teve assinalável projecção internacional e cujas obras produzidas para o Estado Novo não apagam a sua «máxima modernidade».

Alargando a ideia do que pode ser também uma ‘exposição’, uma referência à semana gastronómica portuguesa (de 16 a 20 de Novembro), um evento organizado no hotel Villa Magna, sob a orientação de Luís Baena e que compreende no dia 19 uma jornada de portas abertas e uma oficina de trabalho de cozinha portuguesa. Huuum…

 

Encarte Camões no JL n.º 144

Suplemento da edição n.º 1019, de 21 de outubro a 3 de novembro de 2009, do JL - Jornal de Letras, Artes e Ideias

 

 

 

Camões, I.P.
Usamos cookies no nosso site para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.