Número 42   ·    26 de Dezembro de 2001   ·     Suplemento do JL, Nº 815, Ano XXI

Novo Centro de Língua em Díli


CLP-IC em Díli. Cerimónia de inauguração. Embaixador de Portugal, Pedro Moitinho de Almeida, ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Ramos Horta, presidente do IC, Jorge Couto, reitor da UNTIL, Benjamin Corte-Real e o ministro da Educação, Armindo Maia

A inauguração de um Centro de Língua Portuguesa, em Díli, foi uma das iniciativas que marcaram a visita oficial do presidente do Instituto Camões a Timor-Leste. Durante esta visita - de 16 a 21 de Novembro - Jorge Couto manteve reuniões de trabalho com diversas personalidades timorenses com vista a uma efectiva aproximação e cooperação cultural entre Portugal e Timor-Leste.

O ministro de Estado para os Negócios Estrangeiros, Ramos Horta, o ministro da Educação, Cultura e Juventude, Armindo Maia, e os bispos de Díli e Baucau, respectivamente D. Ximenes Belo e D. Basílio do Nascimento, foram algumas das personalidades com quem Jorge Couto se reuniu.

As novas instalações do Centro de Língua Portuguesa/Instituto Camões
(CLP/IC) na Universidade Nacional de Timor-Lorosa’e (UNTIL) têm por missão primordial apoiar o ensino da Língua Portuguesa naquele território.

A cerimónia de inauguração foi presidida pelo reitor da UNTIL, Benjamim Corte-Real, e pelo presidente do Instituto Camões, Jorge Couto, que reafirmou a importância estratégica do apoio ao ensino do português em Timor-Leste.


Inauguração do CLP-IC em Díli

Tanto o reitor da UNTIL como ministros dos Negócios Estrangeiros e da Educação, espectivamente, José Ramos Horta e Armindo Maia, frisaram que a própria língua franca timorense, o tétum, sobreviveu graças à influência do português.

Benjamim Corte-Real considerou que "se o português sempre viveu em Timor-Leste" então "vale a pena manter essa língua para preservar a identidade histórica, cultural e política" dos timorenses.

"O centro está aqui precisamente para cumprir a função de divulgação do Português, ajudar os professores e alunos a utilizar correctamente essa língua", afirmou.

"Mas há um sentimento mais profundo que o português deixou desde a sua chegada a Timor, sendo sempre um parceiro fiel da nossa língua nacional, o tétum. O próprio português ajudou a divulgar e expandir o tétum de língua franca hoje também promulgada como língua nacional e eventualmente como segunda língua oficial", sublinhou.

O grande objectivo do Governo é, para Armindo Maia, ministro da Educação, Cultura e Juventude, que à semelhança do que aconteceu com a experiência moçambicana, também Timor-Leste pode fomentar o uso do português consolidando depois o desenvolvimento de outras línguas.


Benção das novas instalações do CLP-IC por D. Ximenes Belo, bispo de Díli

Para Jorge Couto este projecto consolida o apoio dado por Portugal ao uso do português em Timor-Leste. "A Língua Portuguesa constituirá nesta universidade uma das
diversas disciplinas que compõe o leque em oferta. Estamos aqui como parceiros da universidade nacional, como parceiros do governo de transição porque essa missão nos foi solicitada", declarou.

"Temos todo o gosto, num plano a 10 anos, de planear esta tarefa de apoio à reintrodução do português, bem como para atingir o objectivo de que o Departamento de Língua Portuguesa e Culturas Lusófonos venha a ser maioritariamente constituído, a médio prazo, por quadros timorenses que vão iniciar neste momento a sua formação", acrescentou.

A inauguração das novas instalações do CLP/IC coincidiu com a entrada em funcionamento da Licenciatura em Língua Portuguesa e Culturas Lusófonas na UNTIL, assegurada, numa primeira fase, pelo IC.

Este projecto "vem ao encontro ao desejo expresso das autoridades, professores
e estudantes timorenses interessados em aprofundar os conhecimentos da Língua Portuguesa e das Culturas Lusófonas", salienta Jorge Couto.


Aspecto das instalações

A instalação do CLP/IC na UNTIL resulta de um Protocolo de Cooperação assinado em Janeiro de 2001, visando apoiar o Departamento de Língua Portuguesa e o Instituto Nacional de Linguística.

À semelhança das anteriores instalações na Escola Paulo VI, o CLP/IC mantém na UNTIL um espaço próprio para os cursos extracurriculares de língua portuguesa e outro para o acervo bibliográfico e multimédia, composto por materiais das áreas da
pedagogia e da didáctica, linguística, literatura, história, teoria e estudos literários, disponíveis aos portadores do Cartão de Utente do Centro.

Além do apoio ao Departamento de Língua Portuguesa, o CLP/IC lecciona cursos extracurriculares de formação e aperfeiçoamento em Língua Portuguesa, vocacionados para quadros médios e superiores, timorenses e internacionais, em diversos áreas dos sectores público e privado. Entre essas áreas profissionais refira-se a polícia, enfermagem, administração pública, ou comunicação social.

Actualmente, o CLP/IC, dirigido por Isabel Jerónimo, têm inscritos nos cursos extracurriculares – coordenados por Esperança Figueiredo - cerca de 1 300 alunos, assegurando o apoio a 135 alunos do Departamento de Língua Portuguesa da UNTIL.


O CLP-IC está equipado com as mais sofisticadas tecnologias, nomeadamente acesso à Internet

A cidade de Díli está igualmente equipada com um Instituto Camões - Centro Cultural Português que visa apoiar a acção cultural em Timor-Leste, bem como ser um espaço de encontro de culturas, em que timorenses e membros da comunidade lusófona possam debater ideias, fomentar a realização de exposições e ciclos de cinema, organizar encontros de escritores e artistas portugueses e timorenses, promover palestras e seminários dedicados à promoção da Língua Portuguesa.

Jorge Couto contactou com diversas personalidades timorenses, designadamente o bispo de Díli, D. Carlos Ximenes Belo, o director da Escola Paulo VI, Padre Leão da Costa, o coordenador do Centro Nacional de Arquivos, José Mattoso, e o responsável do Programa de Ensino a Distância do Banco Mundial, João Loução.

O presidente do IC reuniu-se com o ministro da Educação, Cultura e Juventude, Armindo Maia e com o vice-ministro da Educação, Cultura e Juventude, Roque Rodrigues.

Jorge Couto manteve ainda reuniões com várias personalidades da vida académica, nomeadamente o reitor da UNITIL e presidente do Instituto Nacional de Linguística, Benjamim Corte-Real, o director da Faculdade das Ciências da Educação, Miguel Maia, e o director das Disciplinas Gerais da UNTIL, Luís Maia.


D. Basílio do Nascimento, bispo de Baucau e o presidente do IC

Em Laclubar Jorge Couto reuniu-se com o bispo de Baucau, D. Basílio de Nascimento.

Em Díli o presidente do IC manteve contactos com o ministro de Estado para os Negócios Estrangeiros e Cooperação, Ramos Horta e com a presidente do Comité Permanente das Actividades Culturais, Alice Branco, directora do Centro Cultural Timorense Uma Fukun.

O responsável pelo IC visitou ainda a Sala de Leitura Xanana Gusmão e o futuro Centro de Juventude Padre António Vieira, reunindo-se com o seu director, Rui Marques.

A área da comunicação social, essencial na difusão da Língua Portuguesa, foi também alvo da atenção de Jorge Couto que se reuniu com os directores da Rádio UNTAET, José Filipe e Jaclean Tupin e da TVTL (Televisão de Timor-Leste), Maria Gabriela Carrascalão.

Antes de deixar o território, Jorge Couto visitou a Casa de Bidau e o terreno onde serão construídas as futuras instalações do Instituto Camões - Centro Cultural Português.