Número 46   ·    17 de Abril de 2002   ·     Suplemento do JL, Nº 823, Ano XXI

"Timor-Leste é o orgulho dos países de língua portuguesa"


Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros entrega simbolicamente uma das pastas pedagógicas a um estudante timorense. Estas pastas serão entregues a todos os estudantes de português em Timor-Leste

O Instituto Camões vai assinalar a independência de Timor-Leste, em Maio, com um conjunto de iniciativas, antecipadamente apresentadas em Lisboa. Um conjunto de projectos que a 20 de Maio serão apresentados nos Centros Culturais e de Língua que o IC tem espalhados no mundo.

Um conjunto de projectos que engloba uma exposição de fotografia, um vídeo e a edição de várias obras sobre o tétum. O apoio à divulgação e expansão da língua portuguesa "assume um cada vez maior valor estratégico, designadamente em Timor-Leste com toda a sua influência no Sueste asiático".

O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Jaime Gama, que presidiu à cerimónia, fez questão de salientar que "Timor-Leste é o orgulho dos países de língua portuguesa".

O ministro frisou ainda a aposta feita na língua portuguesa. "Não temos hoje a angústia da língua, pois o português está firme e sólido, em plena expansão". "Construímos uma rede de centros, e apoiámos o que é o factor de crescimento natural da língua que tem 200 milhões de falantes e é a sexta no mundo".

O presidente do IC, Jorge Couto, afirmou que o apoio à divulgação e expansão da língua portuguesa "assume um cada vez maior valor estratégico, designadamente em Timor-Leste com toda a sua influência no Sueste asiático".


Cerimónia de apresentação dos projectos comemorativos da independência de Timor-Leste na sede do IC

Palavras aliás reforçadas pelo linguista timorense Luís Costa ao salientar que o português "é a língua que nos vai tornar diferentes cultural e historicamente".

"O português projecta a cultura timorense e o tétum na Ásia", enfatizou.

O representante da Missão de Timor-Leste em Lisboa, Henrique Borges, afirmou que a escolha do português como uma das línguas oficiais em Timor (a outra é o tétum) foi "uma determinação estratégica".

Segundo Henrique Borges, o português é visto como uma língua de liberdade e democracia e não como a língua do colonizador.

O diplomata frisou ainda o importante e audaz papel de Portugal que "deu voz aos que na altura não tinham voz".

Jaime Gama enfatizou a forma democrática como Timor-Leste ascende à independência. "Um povo que teve condições extremamente difíceis para afirmar a sua vontade soberana que ascende à independência de uma forma plenamente democrática", disse.

No dia 20 de Maio em todos os Centros de Língua e de Cultura portuguesas, tutelados pelo IC, estará patente uma exposição de cinco de fotógrafos nacionais, de que foi editado um catálogo. "Olhar Timor – Tau Matan Ba Timor" reúne fotografias de Adriano Miranda, António Pedro Ferreira, Eduardo Gageiro, Inácio Ludgero e Luiz Carvalho. "Estas fotografias procuram captar desde o aflitivo desespero de um povo invadido ao despertar da esperança do bem supremo da independência e da liberdade", afirma Jorge Couto que frisa "a impressionante dignidade espelhada nos rostos dos timorenses".

Além da exposição de fotografia, do vídeo e das edições, Jorge Couto anunciou ainda um número da revista "Camões", "integralmente dedicado a Timor-Leste" e a edição de um CD.

O vídeo "A Princesa das Lágrimas de Ouro" procura reatar os tradicionais contadores de histórias da ilha do jacaré. O vídeo é baseado num conto tradicional e "procura integrar o imaginário timorense na lusofonia".

O IC editou ainda o "Guia de Conversação Português-Tétum", de Luís Costa e "Babel: Loro Sa’e: o problema linguístico de Timor-Leste", do historiador Luís Filipe Thomaz. Dois livros qualificados por Jorge Couto "como instrumentos utilíssimos no dia-a-dia".
Esta iniciativa é exemplo do "fortíssimo investimento que o IC tem feito em Timor-Leste", afirmou Jorge Couto que referiu ainda a criação do Centro Cultural Português em Díli com as suas diferentes valências nomeadamente uma biblioteca, videoteca, fonoteca e espaço multimédia.

Este conjunto de projectos, já apresentados em Lisboa, irá ser apresentado a partir de 20 de Maio nos 21 Centros de Língua Portuguesa e 15 Centros Culturais tutelados pelo IC, bem como nas três delegações do Instituto em Vigo, Bruxelas e Berlim e posteriormente terá um carácter itinerante pelos leitorados do IC.