Camões  
  Revista de Letras e Culturas Lusófonas  
 
 
  Número 6      ·       Julho-Setembro de 1999  
 
 
 
Saudades da Ilha de Luanda e alguns petiscos angolanos

Afonso Praça


Ilha de Luanda
Fotografia de Artur Ferreira/África Imagens

A leitura de um livro curioso, "A Alimentação do Muxiluanda" de Ana de Sousa Santos, fez o autor deste artigo sentir "umas saudades danadas da ilha". Depois de nos informar que esta tinha sido conhecida por Ilha das Cabras, por lá existirem muitas, Ilha do Dinheiro, por lá se recolherem os búzios que servia de moeda, e Ilha do Cabo, hesitando-se sobre se a razão de tal nome adviria "por ser a parte extrema do cordão litorâneo a contar do sul ou, segundo outros (...) por tal denominação provir da imagem de uma santa com esse nome levada para aquela ilha por devotos algarvios(...)", o caso é que a capela de Nossa Senhora do Cabo lá está.

Depois de traçar, em linhas gerais, a história de Luanda e da ilha do mesmo nome, e de fazer algumas incursões acerca da alimentação dos seus nativos e das origens dos habitantes europeus, euroafricanos e brasileiros, Afonso Praça considera que a ilha faz parte da cidade e que é mesmo uma das praias preferidas dos seus habitantes, recordando as paisagens, as gentes e os sítios onde se comia, essencialmente peixe e os dois pratos essenciais da culinária angolana, o mufete e a muamba, com cuja receita, em destacado, nos deixa de água na boca.

 

 

 

 
 

   ©2008 Instituto Camões