Entrevista ao Comandante António Maurício Camilo sobre a viagem de circum-navegação do NRP Sagres 2020

Publicado em quinta-feira, 28 maio 2020 14:12

Leia a entrevista ao Comandante António Maurício Camilo publicada no encarte do Camões, I.P. do Jornal de Letras.

Comandante António Maurício Camilo: “O futuro dirá em que moldes a missão inicial poderá, ou não, ser retomada

“Divididos entre a tristeza da suspensão da viagem de circum-navegação, o entusiasmo do regresso a casa e do reencontro com as famílias e a natural preocupação com o estado do país e do mundo com o impacto da covid-19”. O comandante António Maurício Camilo descrevia assim o estado de espírito vivido a bordo do navio-escola Sagres no momento desta entrevista, realizada por email, a 4 de maio. O navio havia largado, no dia 30 de abril, do Porto de Mindelo, em Cabo Verde, onde fizera uma paragem técnica e logística, e encontrava-se, então, a navegar em direção a Lisboa, onde veio a atracar no passado dia 10 de maio, na Base Naval de Lisboa, em Almada.

Recorde-se que o NRP Sagres partiu de Lisboa a 5 de janeiro de 2020, para realizar uma viagem de circum-navegação enquadrada no programa das comemorações do V Centenário da Circum-Navegação de Fernão de Magalhães. A viagem - que teria a duração de 371 dias, estando prevista a passagem por 22 portos de 19 países - foi interrompida, há mês e meio, devido à pandemia de covid-19. 

Ao jornal do Camões, I.P., o capitão-de-fragata António Maurício Camilo, comandante do navio-escola Sagres desde 2017, faz o balanço daquela que seria a mais longa viagem da história do navio mais emblemático da Marinha Portuguesa.

31618 1

Como foi recebida a decisão de interromper a viagem de circum-navegação do NRP Sagres?

O desenvolvimento da pandemia, as limitações no cumprimento dos objetivos diplomáticos e protocolares da missão e o adiamento dos Jogos Olímpicos 2020, em Tóquio, foram os fatores preponderantes que sustentaram a decisão do Ministro da Defesa Nacional [João Gomes Cravinho], com acessória do Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada [António Mendes Calado]. O navio foi informado, através da minha pessoa, instantes depois de o Ministro da Defesa Nacional emitir o comunicado oficial a anunciar a suspensão da viagem.

E como decorreu o processo de alteração da rota em curso?

A alteração do percurso da viagem foi fácil. Após a atracação na Cidade do Cabo [África do Sul], o rumo de regresso a Lisboa passaria pela navegação para norte pelo lado oeste do continente africano. Para a paragem logística, optou-se pelo Porto de Mindelo [Cabo Verde] por não requerer grandes desvios no planeamento de navegação e por ter as condições logísticas necessárias.

Que ‘balanço’ faz da viagem do NRP Sagres desde a sua partida do Porto de Lisboa, a 5 de janeiro de 2020, até à sua interrupção?

O NRP Sagres tinha já cumprido cerca de um quarto da sua viagem de circum-navegação. Foram praticados, até então, os seguintes portos: Santa Cruz de Tenerife – Ilhas Canárias, Praia – Cabo-Verde, Rio de Janeiro – Brasil, Montevideu – Uruguai, e Buenos Aires – Argentina. Em todos os portos cumpriram-se os preenchidos planeamentos de atividades diplomáticas e protocolares, que incluíram atividades como receções protocolares em todos os portos com entidades diplomáticas, militares e locais; colaboração na visita oficial do Ministro da Defesa Nacional ao Rio de Janeiro e na visita oficial do Ministro do Ambiente e Ação Climática a Montevideu e a Buenos Aires; e visitas ao público, sendo que recebemos mais de 10 mil visitantes, no total de todos os portos.

Qual foi o momento mais significativo da viagem?

A largada de Lisboa, no dia 5 de janeiro, foi, sem dúvida, um dos momentos marcantes e cheio de significado. Estávamos a largar para uma missão de mais de um ano... A despedida das famílias e a cerimónia de entrega da bandeira nacional a utilizar pelo Comité Olímpico Português nos Jogos Olímpicos em Tóquio, presidida pelo Presidente da República, encheu-nos, ainda mais, de orgulho e força para iniciarmos esta viagem.

Viagem que seria a mais longa da história do Sagres

Exatamente. Esta seria a quarta viagem de circum-navegação do NRP Sagres. Além do simbolismo em que se inseria, fazendo parte das comemorações dos 500 anos da circum-navegação de Fernão de Magalhães e Sebastián Elcano, teríamos marcos importantes como ser “Casa de Portugal” nos Jogos Olímpicos de Tóquio em 2020 e participar nas comemorações dos 500 anos da descoberta do Estreito de Magalhães em Punta Arenas, no Chile. Seria uma viagem desafiante, a mais longa da história do NRP Sagres, com a duração de 371 dias e com longos períodos de navegações, com passagem em zonas de difícil navegação como o Cabo da Boa Esperança e o Cabo de Horn.

Como foi recebido o Sagres pelos portos por onde passou?

O NRP Sagres leva Portugal e a Marinha Portuguesa pelo mundo - é um navio conhecido internacionalmente. O carinho com que é recebido a cada porto é constante e reflete-se quer no cumprimento de eventos protocolares, quer nos períodos de abertura de visitas ao público, especialmente em países de língua oficial portuguesa.

Pode descrever-nos esse contacto com as comunidades portuguesas?

O contacto com as comunidades portuguesas é constante e, a cada porto, facilitado pelas representações diplomáticas locais. Por exemplo, em Cabo Verde, visitou-se a Escola Portuguesa e procedeu-se à oferta de materiais oferecidos pela Federação Portuguesa de Atletismo, com direito a um teatro feito pelos alunos para a comitiva do NRP Sagres. No Uruguai, realizou-se um intercâmbio de comitivas para visitar o navio e a Casa de Portugal de Montevideu.

Como avalia a experiência a bordo do navio, entre a tripulação?

É um navio muito particular no que concerne à vida a bordo. A manobra e manutenção de um navio à vela com a envergadura do NRP Sagres exige dos seus marinheiros um enorme espírito de equipa e entreajuda. A preparação do navio para cada porto é rigorosa e tem padrões elevados de aprumo, para que fique pronto para receber altas entidades e para abrir visitas ao público. Esta fase final demonstrou ser uma verdadeira prova de resistência e resiliência para a guarnição. 

Em que sentido?

Depois de uma tirada de 23 dias até à Cidade do Cabo, tivemos uma paragem logística de cerca de 8 horas seguida de mais 28 dias de navegação. Durante todo este período nenhum elemento da guarnição saiu do navio. Apenas as equipas de desinfeção e limpeza do material embarcado nas fainas foram ao cais de atracação para recebimento do material e com as devidas medidas de proteção individual. Agora, já a poucos dias de Lisboa, o alento do regresso a casa e o entusiasmo por rever as famílias motiva a guarnição a cada dia que passa. Sabemos que será um regresso marcante, diferente de todos os outros pelas suas limitações no contacto e número de pessoas, mas o objetivo é regressar a bom porto, mantendo o navio e os militares em segurança e com saúde.

Qual é o seu sentimento, enquanto Comandante, e o da tripulação, tendo em conta quer a interrupção da viagem quer a situação de pandemia que vivemos?

Como militares, estamos preparados para cumprir a missão que nos é atribuída. Este caso não é diferente, considerando que por razões conhecidas e imponderáveis as circunstâncias motivaram que a missão inicial tivesse que ser modificada. Ainda assim, nada altera a vontade e o espírito de cumprimento de missão que nos move e motiva. O futuro dirá em que moldes é que a missão inicial poderá, ou não, ser retomada. Aguardaremos com tranquilidade por novas ordens e novas missões que nos venham a ser atribuídas.

 

O texto foi publicado originalmente em Jornal de Letras, edição n.º 281, de 20 de maio a 2 de junho de 2020, Suplemento da edição nº 1295, ano XL, do JL, Jornal de Letras, Artes e Ideias com a colaboração do Camões, I.P..

Tópicos neste artigo: