Jorge Sampaio é o próximo convidado do ciclo de conversas “Camões dá que falar”

Publicado em sexta-feira, 06 setembro 2019 15:36

Jorge Sampaio, antigo Presidente da República e Presidente da Plataforma Global para Estudantes Sírios, é o próximo convidado do ciclo de conversas “Camões dá que falar”. A sessão terá lugar no dia 12 de setembro de 2019, às 18h00, no Auditório do Camões, I.P. (Rua Rodrigues Sampaio, 113, Lisboa).

A conversa decorrerá em torno do tema: “Portugal muito à frente: a criação de uma via verde para o ensino superior nas emergências”.

Jorge Sampaio é licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Em 1989, ascende à presidência da Câmara Municipal de Lisboa, sendo reeleito em 1993. De 1990 a 1995, exerce a Presidência da União das Cidades de Língua Portuguesa (UCCLA), sendo eleito Vice-Presidente da União das Cidades Ibero-Americanas, em 1990. Foi também eleito Presidente do Movimento das Eurocidades (1990) e Presidente da Federação Mundial das Cidades Unidas (1992).

Em 1996, Jorge Sampaio é eleito como Presidente da República, sendo reeleito para um segundo mandato (2001-2006). Em abril de 2006 tomou posse como Conselheiro de Estado, na sua qualidade de antigo Presidente da República.

Entre 2006 e 2012 desempenha o cargo de Enviado Especial do Secretário-Geral das Nações Unidas para a Luta contra a Tuberculose, o qual acumula com o de Alto Representante das Nações Unidas para a Aliança das Civilizações (2007-2013).

Desde 2013 tem-se dedicado a outras causas globais. Fundou a Plataforma Global para Estudantes Sírios (2013) e é membro da Global Commission on Drug Policy. Possui várias condecorações e distinções, designadamente o Prémio das Nações Unidas Nelson Mandela (2015), o Prémio Norte-Sul do Conselho da Europa (2009) e o Prémio Europeu Carlos V da Academia de Yuste (2004).

A entrada é livre e aberta à comunicação social.

Sobre o Camões dá que falar

O “Camões dá que falar” é uma iniciativa do Camões, I.P.. Com um orador convidado por mês, o Camões, I.P. abre as suas portas à sociedade civil e pretende tornar-se palco de discussões e debates, num registo informal e inclusivo, de modo a estimular a troca de ideias com a participação ativa da audiência.

Tópicos neste artigo: