Introdução à Cooperação Internacional para o Desenvolvimento

O objetivo geral do curso é dotar os formandos de competências básicas que envolvem os mecanismos da cooperação para o desenvolvimento, incluindo a conceção de projetos e a estratégia da cooperação portuguesa para o desenvolvimento, procurando-se articular a componente prática com a teoria e com os desafios atuais.

Este curso é realizado em colaboração com a UNAVE – Associação para a Formação Profissional e Investigação da Universidade de Aveiro.

Na base desta ação formativa está a necessidade que se considera existir de um maior nível de conhecimento sobre a temática das relações de cooperação de Portugal com países terceiros, nomeadamente na bilateral sobretudo com os PALOP e Timor-Leste, e na multilateral com a União Europeia e as Instituições Financeiras Internacionais, entre as pessoas que por diversos motivos, uns mais altruístas outros mais materiais, se envolvem em atividades de ajuda a outros povos, seja em que país for. Tal conhecimento não pode crescer sem estar perspetivado no contexto da evolução do pensamento sobre o desenvolvimento e da história da cooperação internacional, sob pena de não se entender como evoluem as relações entre os parceiros ao longo do tempo e quais as perspetivas futuras.

Esta formação pretende ser uma introdução, centrada na cooperação portuguesa, com algum aprofundamento temático, mas não pretende substituir formações em áreas mais especializadas como são exemplo a gestão de programas e projetos, a cooperação em áreas setoriais da saúde, educação, ambiente, governação ou outras. 

Mas sobretudo temos bem presente que esta e outras formações nunca são substitutos da prática de ações de cooperação feitas em países parceiros com empenho, reflexão e consciência das razões, valores e processos de cada um individualmente.

Objetivos

O objetivo geral do curso é dotar os formandos de competências básicas que envolvem os mecanismos da cooperação para o desenvolvimento, incluindo a conceção de projetos e a estratégia da cooperação portuguesa para o desenvolvimento. 

No final do curso os formandos terão adquirido compreensão e construído conhecimento acerca: das ferramentas básicas da cooperação para o desenvolvimento; das competências básicas para implementar um projeto de cooperação para o desenvolvimento; das principais estratégias e abordagens da cooperação portuguesa para o desenvolvimento. 

Nesta ação espera-se, ainda, que os formandos desenvolvam capacidade de pesquisa e tratamento de informação quantitativa existente nas bases de dados internacionais e nacionais relevantes.

Organização e metodologia

Esta ação incidirá sobre as seguintes temáticas;

Tema 1

  • Definições e conceitos básicos cooperação e desenvolvimento
  • A evolução do pensamento sobre desenvolvimento 

Tema 2

  • História breve da cooperação 
  • Tipologia da cooperação: bilateral, multilateral, pública e privada, cooperação descentralizada, técnica, financeira, civil-militar, etc., condicionalidade.

Tema 3

  • As motivações, a ética e os valores individuais e coletivos
  • A evolução das ideias na cooperação pelo CAD/OCDE e pelas Conferencias internacionais

Tema 4

  • Os paradigmas da cooperação 
  • Objetivos de Desenvolvimento do Milénio 

Tema 5

  • Os modelos estatais organizativos na OCDE e nos países recetores

Tema 6

  • O sistema geral de Cooperação – uma nova metodologia de leitura de síntese

Tema 7

  • Os indicadores estatísticos da Cooperação

Tema 8

  • A Cooperação multilateral na União Europeia
  • A evolução dos Acordos ACP e as Cimeiras África-União Europeia 

Tema 9

  • A Cooperação Multilateral no Banco Mundial, Bancos Regionais e agências da ONU

Tema 10

  • A Cooperação Bilateral Norte- Sul e Sul-Sul.
  • As estratégias da Cooperação Bilateral de países europeus

Tema 11

  • A evolução da Cooperação portuguesa

Tema 12

  • Os atores públicos do sistema português 
  • Os ministérios, institutos, hospitais, escolas, etc..

Tema 13

  • A cooperação descentralizada
  • Os atores privados
  • As ONGD, municípios, universidades, fundações, igrejas, etc..
  • Os atores configuradores do sistema em Portugal

Tema 14

  • O sector privado lucrativo e a Cooperação
  • A responsabilidade social das empresas

Tema 15

  • Os instrumentos da cooperação 

Tema 16

  • O financiamento internacional, público e privado

Tema 17

  • O financiamento em Portugal

Tema 18

  • A história e os modelos da avaliação 

Tema 19

  • Os exemplos de avaliação de projetos

Tema 20

  • A avaliação em Estados em situação de fragilidade

Tema 21

  • Introdução à gestão de projetos

Tema 22

  • A conceção e gestão em parceria em projetos de direitos humanos

Tema 23

    • A inovação na Cooperação portuguesa 
    • O Fórum da Sociedade Civil para a Cooperação
    • Os clusters, conceção e gestão 

Tema 24

  • Os cenários futuros da Cooperação Internacional

 

A metodologia dos cursos seguirá o conceito de E-Learning, o qual consiste num sistema de formação onde a totalidade dos materiais didáticos e aulas são transmitidos à distância disponibilizados por via de uma plataforma informática (neste caso na plataforma Moodle).

Eventualmente, poderá ser complementado com algumas conferências ou seminários que requerem a presença física dos formandos que residam no país, os quais serão gravados e disponibilizados offline como materiais dos cursos.

Uma das vantagens comparativas destes cursos é poderem ser seguidos por formandos interessados numa grande flexibilidade de horários, seja residentes em Portugal seja em países com fusos horários diferentes. A forma de comunicação entre todos os participantes é assíncrona não sendo imperativo que formandos e formadores estejam online ao mesmo tempo. Ou seja, os formandos podem trabalhar à hora que lhes for mais conveniente estando as modalidades de avaliação adaptadas a essa exigência.

O curso disponibiliza os seguintes materiais online: 

  • ficha de disciplina com plano curricular, metodologia de avaliação, bibliografia base e outras indicações; 
  • pelo menos uma aula/palestra de apresentação, sendo as restantes com os temas da disciplina lecionados com os restantes materiais; 
  • apresentações em Power Point, vídeos ou pequenos filmes;
  • textos de apoio para leitura e/ou consulta, incluindo endereços eletrónicos onde os mesmos podem ser encontrados fora da plataforma.

Duração

 O curso tem uma duração de 48 horas.

Propina

 320 €

Avaliação

Os formandos poderão escolher estar em dois regimes de avaliação:

Alunos em Regime Avaliação Contínua: um trabalho escrito ao longo do ano com acompanhamento dos docentes a valer 60 % da nota final. E uma prova individual e de duração limitada feitas com consulta plena a valer 40%. Em alternativa os alunos podem fazer as avaliações de pelo menos 90% dos temas que são disponibilizadas pelos docentes quando são lecionados. Nesta ultima sub modalidade não necessitam de fazer mais nenhuma prova sendo a nota final a média aritmética das avaliações executadas ponderada pelo número de avaliações solicitadas.

Alunos em Regime Avaliação Discreta: três provas individuais sendo duas provas escritas a valer 50 % da nota final e de duração limitada feitas online, com consulta plena, e outra constituída pela redação de um artigo escrito para ser colocado online se tiver qualidade suficiente. O artigo a ser colocado online pode ser elaborado com o regulamento do Projeto Dicionário da Cooperação Portuguesa do CESA, disponível em: http://pascal.iseg.utl.pt/~cesa/index.php/dicionario-da-cooperacao - ou para uma revista internacional ou nacional a propor pelo docente ou pelo formando.

Alunos em Regime Avaliação Final: prova escrita a valer 100% da nota final e de duração limitada, a realizar on line no final do curso. 

A classificação qualitativa e quantitativa, seguirá a seguinte escala de classificações de 0 a 20 valores:

  • EXCELENTE: de 18 a 20 valores
  • MUITO BOM: de 16 a 17 valores
  • BOM: de 14 a 15 valores
  • SUFICIENTE: de 10 a 13 valores
  • INSUFICIENTE: de 0 a 9 valores

Certificação

Aos participantes será atribuído um certificado do Camões, I.P.

 

 

Camões, I.P.
Usamos cookies no nosso site para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização.